$ s

Como lidar com a inadimplência condominial e quais as possibilidades de acordos

Lidar com inadimplência condominial é um assunto complexo, pois é um problema que interfere no relacionamento do síndico junto aos condôminos. Infelizmente, essa é uma situação comum enfrentada por gestores de diferentes perfis de condomínio.

Geralmente, entende-se como inadimplência atrasos superiores a 30 dias do vencimento do pagamento. Em 2019, a média de atraso nas taxas condominiais era de 6% e disparou em abril de 2020 com a pandemia, atingindo um pico de 20%.

A questão é que, deixando de arrecadar o orçamento previsto, o condomínio passa a ter problemas com contas vencidas, impossibilidade de realizar melhorias na estrutura, atrasos nos pagamentos dos funcionários, entre outros.

Portanto, a inadimplência condominial é algo que precisa ser controlado. Do contrário, as finanças do condomínio podem desandar de maneira insustentável em pouco tempo.

Pensando em ajudar nesse desafio, produzimos este conteúdo com sugestões práticas para promover acordos e contornar a inadimplência condominial. Acompanhe e boa leitura!

Possibilidades de acordos para inadimplência condominial

Parcelamento dos débitos

Uma possibilidade é realizar uma negociação facilitada para o condômino devedor, como o parcelamento dos débitos para que ele possa quitar suas dívidas.

No entanto, o condômino deve ser informado com antecedência sobre as condições desse parcelamento, como a incidência de juros.

Plantão de pagamento

O síndico também pode organizar um plantão de pagamento para promover um acordo com os inadimplentes sobre os pagamentos atrasados. Nesse caso, é possível conceder algum benefício, como desconto no valor, desde que isso seja aprovado em assembleia.

A melhor época para realizar esse tipo de plantão é no fim do ano, quando muitos condôminos recebem o 13º salário e, consequentemente, têm mais margem para pagar os atrasos.

Mas não se recomenda fazer esse tipo de acordo com frequência, porque pode gerar um mau hábito no morador, sabendo que pode deixar de pagar a taxa condominial o ano inteiro porque terá vantagens para quitar no fim do ano.

Confira 8 soluções para contornar a inadimplência condominial

1. Facilite o pagamento

O pagamento do condomínio deve ser fácil de efetuar. Uma boa opção é o Débito Direto Autorizado (DDA), uma espécie de pagamento automático que pode ser cadastrado no banco do condômino.

Outra solução simples é o serviço de segunda via de boletos online, para o morador efetuar o pagamento da conta sem necessidade de entrar em contato com o síndico. 

Também contribui para a redução da inadimplência condominial enviar o boleto para o morador com pelo menos dez dias antes do vencimento.

2. Controle a dívida e faça compensações

A inadimplência condominial precisa ser controlada de perto para que não saia do controle do síndico. 

Mas, se a taxa de inadimplência atingir um índice muito alto, poderá ser necessário compensar a quantia faltante para fechar as contas. Sendo assim, não haverá outro recurso senão aumentar a taxa para cobrir essa falta.

No entanto, essa alternativa costuma não ser bem vista pelos moradores adimplentes, que acabam tendo que assumir os valores não pagos por outros moradores.

3. Conscientize os condôminos

Faça campanhas de incentivo à educação financeira e de pagamento das contas atrasadas. Nelas, você pode explicar o que é a taxa condominial e como é aplicada no condomínio. 

Também deixe claro que, quando um morador atrasa o pagamento, são os outros que precisam arcar com essa quantia faltante. Assim, eles perceberão que é vital colaborar para que todos tenham os serviços necessários.

4. Entenda os motivos da inadimplência condominial

Se for possível, tente conversar com os moradores inadimplentes para compreender as razões do atraso no pagamento. É importante fazer uma análise da inadimplência e buscar o melhor caminho para resolvê-la, já que cada caso é um caso.

Em determinadas situações, pode ser necessária uma abordagem mais direta (mas ainda assim educada) cobrando os valores ou mesmo o acionamento da Justiça em casos graves.

5. Faça um bom planejamento orçamentário do condomínio

Fazer um planejamento orçamentário é fundamental na administração financeira, pois é a partir disso que serão definidos os reajustes na cota condominial, a aprovação de obras e outras decisões importantes. Sendo assim, faça esse planejamento e informe aos condôminos.

Entre as ações indicadas, estão:

• Levantar as despesas;

• Calcular os reajustes salariais;

• Dar atenção às sazonalidades;

• Incluir um índice de inadimplência condominial;

• Planejar os investimentos.

6. Realize protestos antes da ação judicial

O síndico pode, sim, negativar o nome do morador inadimplente. No entanto, é preciso aprovar essa negativação em assembleia, determinando um prazo máximo para o morador quitar a taxa condominial sem inscrição e, após esse prazo, ser levado a protesto.

O protesto é uma maneira rápida de recuperar a inadimplência condominial, já que a grande maioria das pessoas intimadas extrajudicialmente a pagar seus títulos em atraso comparece ao Serviço Registral de Protesto e quita seus débitos, evitando o ingresso de ações e execuções judiciais, que só devem ser usadas como última alternativa.

7. Contrate uma garantidora de crédito condominial

A maneira mais eficiente de deixar de ter problemas com a inadimplência condominial é contratar uma garantidora de crédito, como a Villaro, que assume o valor total ou parcial da taxa, enquanto faz o papel de cobrar dos inadimplentes.

A garantidora põe um ponto final à preocupação com a falta de verba porque o síndico sabe exatamente o valor que terá no fluxo de caixa e a data em que será depositado na conta do condomínio. Pode inclusive fazer melhores negociações com fornecedores, podendo pagar à vista.

8. Não fique refém da inadimplência

O ideal é que não haja inadimplência condominial, mas, uma vez que ela se torne frequente na administração condominial, busque não ficar refém dela. 

Uma forma de fazer isso pode ser investir em soluções inovadoras para o condomínio que ajudam a otimizar as despesas, como a portaria remota, que equilibra o orçamento do condomínio.

Quer saber mais sobre como funciona uma solução de portaria remota e como ela pode ser útil no seu condomínio? Confira este e-book:

E-book | Diferenças entre portaria remota e portaria virtual


Se precisar tirar dúvidas ou conhecer a solução do Porter Group, entre em contato com nossos especialistas.

Porter Group

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Fale com um consultor